Debate sobre saúde

73Dedo na ferida 1

     O diretor corporativo do Hospital Pequeno Príncipe, José Álvaro Carneiro, pôs o dedo na ferida na questão da dívida da prefeitura para com a rede hospitalar conveniada aos membros da Comissão de Saúde, Bem-Estar Social e Esporte da Câmara Municipal de Curitiba durante visita à instituição médica nesta quinta-feira. Os vereadores foram conversar com a direção do hospital sobre a situação financeira, já que 63% do atendimento lá prestado é via SUS. Assim com os demais hospitais conveniados, o Pequeno Príncipe tem sofrido com atrasos no repasse de recursos públicos.

Dedo na ferida 2

    Segundo José Álvaro Carneiro, os atrasos no repasse de verbas da União começaram em 2013, e a Secretaria Municipal de Saúde, gestora do SUS na capital, deve cerca de R$ 10 milhões. “O parcelamento de parte desta dívida só foi acertado em juízo porque os hospitais conveniados entraram com uma ação no Ministério Público”, disse o diretor do Pequeno Príncipe, que também acusou a Secretaria de Saúde do município de não estar aberta a ouvir ideias e debater as demandas da rede hospitalar conveniada. Segundo ele, hoje o HPP funciona como uma UPA (Unidade de Pronto Atendimento) pediátrica porque faltam pediatras nos postos de saúde municipais.

    Os vereadores Noemia Rocha e Chicarelli convidaram a direção do hospital para as audiências públicas das secretarias municipais de Saúde e Finanças que serão realizadas na próxima semana na Câmara. A comissão também pré-agendou uma reunião com o prefeito Gustavo Fruet.

Fonte: Gazeta do Povo

Noemia Rocha fala sobre visita ao Hospital Pequeno Príncipe

61    A presidente da Comissão de Saúde, Bem-Estar Social e Esporte da Câmara Municipal de Curitiba, vereadora Noemia Rocha (PMDB), conversou com as rádios CBN Curitiba e Band News, na tarde dessa quinta-feira (24), sobre a visita realizada ao Hospital Pequeno Príncipe, no período da manhã.

     A parlamentar falou sobre o trabalho realizado pelo hospital e suas principais demandas. Hoje, 63% do atendimento é feito pelo SUS. De acordo com ela, o grupo tem visitado varias instituições em busca de melhorias.

“Precisamos falar sobre saúde”, diz diretor do Pequeno Princípe

“A prefeitura é imatura em pensar que os problemas financeiros estão acima das questões relacionadas à saúde”, disse José Álvaro Carneiro. (Foto: Andressa Katriny/CMC)

“A prefeitura é imatura em pensar que os problemas financeiros estão acima das questões relacionadas à saúde”, disse José Álvaro Carneiro. (Foto: Andressa Katriny/CMC)

     “A gente só consegue conversar sobre o dinheiro que a prefeitura está nos devendo e não sobre saúde. Temos aqui o maior conhecimento sobre pediatria do continente, e o gestor do SUS não quer conversar sobre isto”, reclamou José Álvaro Carneiro, diretor corporativo do Hospital Pequeno Príncipe. A afirmação foi feita à Comissão de Saúde, Bem-Estar Social e Esporte da Câmara de Curitiba nesta quinta-feira (24), durante uma visita à instituição.

     A diligência teve o objetivo de conversar com a direção sobre sua atual situação financeira, já que 63% do atendimento do HPP é feito pelo SUS, e assim com os demais hospitais conveniados, o hospital tem sofrido com atrasos no repasse de recursos públicos. “A situação da rede conveniada ao Sistema Único de Saúde, o SUS, não é boa em Curitiba. Queremos saber como está o Pequeno Príncipe, pois outras instituições correm o risco de fechar”, disse Noemia Rocha, presidente do colegiado.

    Segundo José Álvaro Carneiro, os atrasos no repasse de verbas da União começaram em 2013, e a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) – gestora do SUS em Curitiba – deve cerca de R$ 10 milhões com encargos financeiros e juros. “O parcelamento de parte desta dívida só foi acertado em juízo porque os hospitais conveniados entraram com uma ação no Ministério Público”, completou.

     Entretanto, para o diretor corporativo do hospital, este não é o principal problema da rede contratualizada. “A Prefeitura de Curitiba está sendo obrigada a pagar em dia os repasses. Mas ela é imatura em pensar que os problemas financeiros estão acima das questões relacionadas à saúde”, disse, ao informar aos vereadores que a SMS não “está aberta a ouvir ideias e debater as demandas da rede”.

     José Álvaro Carneiro explicou que a pauta da rede contratualizada vai além do repasse de recursos em dia: “O poder público precisa repensar os custos da saúde e revisar a tabela do SUS. Perceber que a estrutura dos hospitais conveniados precisa de investimentos e repensar o sistema de regulação de saúde [acesso dos usuários aos serviços de saúde. Hoje, o HPP funciona como uma UPA pediátrica porque faltam pediatras nos postos de saúde”.

     A presidente da comissão reconheceu as dificuldades apontadas pelo diretor e reforçou o compromisso de levar as demandas da rede conveniada ao prefeito Gustavo Fruet. “Temos visitado os hospitais justamente para conhecer a realidade e saber como ajudar enquanto Comissão de Saúde. Além disto, temos acompanhado de perto a questão do repasse de recursos e acredito que é fundamental o pagamento em dia para manter o atendimento à população. Os pacientes não podem ser prejudicados”, frisou.

Prestação de contas

     Noemia Rocha e Chicarelli convidaram a direção do Hospital Pequeno Princípe para as audiências públicas das secretarias municipais de Saúde e Finanças, que acontecerão na próxima semana na Câmara de Curitiba – terça (29) e quarta-feira (30). “O momento é ideal para que vocês, da rede contratualizada, sejam ouvidos pelo Executivo”, destacou Chicarelli.

     A comissão pré-agendou uma reunião com o prefeito Gustavo Fruet – depois de 30 de setembro – para debater a pauta defendida hoje por José Álvaro Carneiro, em nome da rede conveniada. A visita ao Pequeno Príncipe foi a sexta feita pela comissão, que já esteve no Hospital Erasto Gaertner, Hospital Evangélico, Hospital Madalena Sofia e UPAs da Fazendinha e do Boa Vista (saiba mais em cada link). Reuniões com representantes de outras instituições também já foram realizadas (leia mais).

     Também fazem parte do colegiado de saúde: Mestre Pop (PSC), Paulo Rink (PPS) e Valdemir Soares (PRB).

Fonte: Site da CMC

Comissão de Saúde visita Hospital Pequeno Príncipe nesta quinta

Noemia Rocha, presidente da Comissão de Saúde, convidou os demais vereadores para participarem das diligências desta quinta no Hospital Pequeno Príncipe. (Foto: Chico Camargo/CMC)

Noemia Rocha, presidente da Comissão de Saúde, convidou os demais vereadores para participarem das diligências desta quinta no Hospital Pequeno Príncipe. (Foto: Chico Camargo/CMC)

    Dando continuidade às visitas da Comissão de Saúde aos equipamentos que atendem a população de Curitiba, os vereadores visitarão, nesta quinta-feira (24), o Hospital Pequeno Príncipe (HPP). A diligência está marcada para as 10h e prevê visita às instalações e conversa com gerentes da instituição, para apurar qual a situação financeira do hospital. “A situação da rede conveniada ao Sistema Único de Saúde, o SUS, não é boa em Curitiba. Queremos saber como está o HPP, pois outras instituições correm o risco de fechar”, adiantou Noemia Rocha.

     “A Prefeitura de Curitiba não repassa valores devidos aos hospitais, que daí procuram empréstimos nos bancos para pagarem os funcionários. Essas dívidas viram uma bola de neve”, repetiu Noemia Rocha, em plenário, ao comunicar a diligência aos demais vereadores. Ela preside a Comissão de Saúde, que neste ano já esteve no Hospital Erasto Gaertner, Hospital Evangélico, Hospital Madalena Sofia e UPAs da Fazendinha e do Boa Vista (saiba mais em cada link). Reuniões com representantes de outras instituições também já foram realizadas (leia mais).

      Chicarelli (PSDC), Mestre Pop (PSC), Paulo Rink (PPS) e Valdemir Soares (PRB) integram a Comissão de Saúde e têm participado dessas atividades. “Vamos levar essas questões às secretarias de Saúde e Finanças, cujas audiências públicas de prestação de contas acontecerão semana que vem, nos dias 29 e 30, no auditório da Câmara Municipal”, adianta Noemia Rocha. Na sessão plenária desta quarta-feira (23), a vereadora chegou a sugerir que pelo segundo ano consecutivo o Legislativo destine dinheiro do seu orçamento próprio para subsidiar as despesas com saúde pública em Curitiba.

Fonte: Site da CMC

Comissão de Saúde visita Hospital Pequeno Príncipe nesta quinta

Noemia Rocha, presidente da Comissão de Saúde, convidou os demais vereadores para participarem das diligências desta quinta no Hospital Pequeno Príncipe.

Noemia Rocha, presidente da Comissão de Saúde, convidou os demais vereadores para participarem das diligências desta quinta no Hospital Pequeno Príncipe.

    Dando continuidade às visitas da Comissão de Saúde aos equipamentos que atendem a população de Curitiba, os vereadores visitarão, nesta quinta-feira (24), o Hospital Pequeno Príncipe (HPP). A diligência está marcada para as 10h e prevê visita às instalações e conversa com gerentes da instituição, para apurar qual a situação financeira do hospital. “A situação da rede conveniada ao Sistema Único de Saúde, o SUS, não é boa em Curitiba. Queremos saber como está o HPP, pois outras instituições correm o risco de fechar”, adiantou Noemia Rocha.

    “A Prefeitura de Curitiba não repassa valores devidos aos hospitais, que daí procuram empréstimos nos bancos para pagarem os funcionários. Essas dívidas viram uma bola de neve”, repetiu Noemia Rocha, em plenário, ao comunicar a diligência aos demais vereadores. Ela preside a Comissão de Saúde, que neste ano já esteve no Hospital Erasto Gaertner, Hospital Evangélico, Hospital Madalena Sofia e UPAs da Fazendinha e do Boa Vista (saiba mais em cada link). Reuniões com representantes de outras instituições também já foram realizadas (leia mais).

     Chicarelli (PSDC), Mestre Pop (PSC), Paulo Rink (PPS) e Valdemir Soares (PRB) integram a Comissão de Saúde e têm participado dessas atividades. “Vamos levar essas questões às secretarias de Saúde e Finanças, cujas audiências públicas de prestação de contas acontecerão semana que vem, nos dias 29 e 30, no auditório da Câmara Municipal”, adianta Noemia Rocha. Na sessão plenária desta quarta-feira (23), a vereadora chegou a sugerir que pelo segundo ano consecutivo o Legislativo destine dinheiro do seu orçamento próprio para subsidiar as despesas com saúde pública em Curitiba.

Fonte: Site da CMC

Noemia Rocha debate projeto para gestantes usuárias de drogas com Marcelo Kimati

DSCN2599     A presidente da Comissão de Saúde da Câmara Municipal de Curitiba, vereadora Noemia Rocha (PMDB), recebeu nesta semana, a visita do Diretor de Saúde Mental, Marcelo Kimati Dias, em seu gabinete. Durante o encontro, de acordo com ela, foram debatidos projetos de combate às drogas, em especial para grávidas dependentes químicas.

     “Foi uma conversa muito produtiva, que só vem reafirmar a nossa parceria”, destacou a parlamentar, que tem como uma de suas principais iniciativas o Centro de atendimento para gestantes usuárias de drogas, iniciativa pioneira no Brasil.

    Segundo Noemia Rocha, o serviço vai oferecer abrigo para as dependentes químicas, que receberão tratamento e poderão ter seus filhos em segurança. Além disso, a matéria visa a recuperação da escolaridade, capacitação profissional e reinserção no mercado de trabalho.

Noemia Rocha recebe visita de vereadora do Mato Grosso do Sul

DSCN2202 (cópia)     A vereadora Noemia Rocha (PMDB) recebeu em seu gabinete, na última semana, uma visita de cortesia de Cláudia Barbosa, parlamentar do PMDB na cidade de Jardim, no Mato Grosso do Sul. Ela aproveitou a oportunidade para acompanhar a sessão plenária da Câmara Municipal de Curitiba.

      O objetivo do encontro foi conhecer um pouco mais sobre o trabalho desenvolvido por Noemia Rocha, seus projetos e atuação como representante da Casa. Além disso, a vereadora Cláudia contou um pouco de sua história em entrevista ao programa de rádio Mulher Instrumento de Deus.