Câmara aprova financiamento para binário Ahú/Jardim Botânico

Noemia Rocha apontou possíveis inconstitucionalidades no texto. (Foto – Andressa Katriny/CMC)

Noemia Rocha apontou possíveis inconstitucionalidades no texto. (Foto – Andressa Katriny/CMC)

    A Câmara Municipal aprovou em primeiro turno, na sessão desta terça-feira (7), autorização para que a Prefeitura de Curitiba contraia operação de crédito de até R$ 9,4 milhões junto à Caixa Econômica Federal (CEF). O financiamento será destinado à implantação do binário Ahú/Jardim Botânico, com intervenções nas ruas Jaime Balão, Padre Germano Mayer, Camões e Sete de Setembro.

   Segundo a mensagem do prefeito Gustavo Fruet, as obras foram aprovadas pelo Ministério das Cidades no âmbito do Programa Pró-Transporte Público (PAC 2), com a contrapartida municipal de R$ 498,6 mil.

     O documento destaca que as linhas Interbairros II, Inter 2 e Cabral/Portão circulam no trecho a ser revitalizado. “As intervenções integram o rol de melhorias no sistema viário voltado ao transporte público, que complementam o projeto ‘Ampliação da Capacidade e Velocidade da Linha Direta Inter 2’, aprovado pelo Ministério das Cidades no âmbito do Programa Mobilidade Urbana e Trânsito”, complementa.

     A discussão sobre a matéria foi marcada por críticas de diversos vereadores ao governo municipal. Integrantes do movimento “Longa Vida ao Arquipélago de Camões”, formado por moradores da região a ser atingida pela obra, manifestaram preocupação de que a intervenção prejudique espaços públicos consolidados nos bairros Cristo Rei, Alto da XV e Hugo Lange, como praças e áreas de lazer, entre outros problemas. A proposta recebeu 24 votos favoráveis, 4 contrários e 2 abstenções (o voto de cada vereador pode ser verificado na consulta à proposição 005.00209.2014, na aba “votação”).

Críticas

     Possíveis inconstitucionalidades no texto foram apontadas pela líder da oposição, Noemia Rocha (PMDB), que foi contra o projeto, e por Tico Kuzma (PROS). A vereadora manifestou preocupação com o artigo quinto do texto, que trata das garantias para o pagamento do empréstimo. Pedro Paulo e Professora Josete (PT) argumentaram que a matéria atende os requisitos legais e que se trata de “praxe na administração pública” o estabelecimento de garantias.

Fonte: Site da CMC

(Leia a matéria na integra…)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s